A Brasilidade do BarbaDeSaia – PINHEIRO A Brasilidade do BarbaDeSaia – PINHEIRO
Por: Pinheiro Fotos: Vandré Fraga A história da banda começa na casa do baixista João Maia, quando numa conversa informal, Júlia Ribeiro, mãe do baixista,... A Brasilidade do BarbaDeSaia – PINHEIRO

Por: Pinheiro
Fotos: Vandré Fraga

A história da banda começa na casa do baixista João Maia, quando numa conversa informal, Júlia Ribeiro, mãe do baixista, sugere a formação de uma banda. A idéia logo foi aceita por Marcelo Magalhães, violonista da banda que sugeriu o nome de Caroline Morito cantando e durante a mesma conversa o nome de Bruna Myrrha logo foi sugerido para as baquetas. Na mesma hora Marcelo entrou nas redes sociais e fez o convite para as duas. Caroline aceitou de pronto e Bruna teve a oportunidade de ver seu sonho realizado, pois há tempos, ainda em São Paulo, já trazia o desejo de participar de uma banda com a proposta musical do BarbaDeSaia.

Banda formada, veio a escolha do nome: “BarbaDeSaia”, tudo junto assim mesmo. Dois homens e duas mulheres, dois barbados e duas meninas… “A idéia é apresentar a pluralidade”, diz João Maia. Pluralidade essa da qualidade musical brasileira, sendo exemplificada desde seus gêneros. Gênero que também se refere à identidade adotada ou atribuída a uma pessoa de acordo com questões de identificação social em relação ao sexo. Barbas e Saias.

O BarbaDeSaia passeia pela diversidade rítmica e harmônica da música brasileira. Seja no Samba, no Forró, no Xote ou baião, o que você vai ouvir são 4 músicos se divertindo no palco, com interpretações próprias das músicas que amam ouvir. Dando um carácter próprio as músicas, que pela idade dos músicos, vê-se que algumas destas músicas eles nem tiveram a oportunidade de viver à época, como a Bossa Nova, por exemplo. Já outras, fazem questão de frizar, são qualidades musicais atuais que a grande mídia e infelizmente grande parte do público, teimam em não conhecer. Provando que existe sim música de qualidade sendo feita nos dias atuais.

As influências são muitas: Adoniran Barbosa, Elis Regina, Rita Lee, Chico Buarque, Tulipa Ruiz, Céu, Novos Baianos, Cássia Eller, Nando Reis… um caldeirão musical e cultural. Para legitimar as influências de músicas que ouviram da época de seus pais, João Maia diz: “Dentro do repertório que a gente tem, está toda a minha infância”.



BarbaDeSaia! Quem são?

– Marcelo Magalhães (violão) – Violonista autodidata, formado em engenharia ambiental, apaixonado pela MPB e que embora já tenha contato com a música há anos, está em seu primeiro projeto com o BarbaDeSaia. Carioca e filho de militar da reserva teve a oportunidade de conhecer várias cidades brasileiras, enriquecendo com isso sua musicalidade brasileira.

– Bruna Myrrha (Percussão) – Acaba de voltar de São Paulo, onde teve a oportunidade de trabalhar com musicais na área do samba, tendo contato neste tempo com bateria de escola de samba, o que só fez aumentar a paixão pelo samba e percussão. Durante esse período fez aulas de bateria também. “A paixão mesmo começou tocando caixa na Banda da FAA há anos atrás”, diz Bruna. Relembrando os nomes de David Willian e Dênis.

– João Maia (baixo) – Baixista da banda, mas já tem ensaiado também o cavaquinho para as próximas apresentações. Trabalha com música no cenário valenciano há aproximadamente uns 5 anos, fazendo parte neste tempo de diversas bandas, tocando guitarra e percussão. João Maia reforça ainda: “Não posso deixar de mencionar a contribuição enorme que Fred Ielpo tem na minha formação musical, experiência de palco e influência”. No BarbaDeSaia João encontrou o que queria tocar: Baixo!

– Caroline Morito (Voz) – Acompanhada por Marlon Couto no violão, fez vários shows na cidade, tocando em barzinhos e restaurantes da região. Neste mesmo tempo participou de festivais, mas considera que no BarbaDeSaia está tendo a oportunidade de ser apresentada a estilos que não conhecia, isso por conta da diversidade musical dos membros da banda, que apresentam cada qual o que ouvem e trazem essas influências não só para a banda, mas para cada membro também. Ressalta a importância das aulas de canto que teve a oportunidade de fazer durante 2 meses no Coral de Rio das Flores, com a professora Daniela Alves. “As aulas de canto no coral aprimoraram muito a minha voz, melhorei bastante. Pois pude conhecer várias técnicas que me auxiliam hoje no canto”. Diz, Caroline. Citada pelo grupo como uma cantora de interpretação peculiar, Caroline destaca a influência da própria banda sobre seu cantar e de artistas como Elis Regina em toda a sua presença e interpretação como fontes de inspiração para os vocais do BarbaDeSaia.

Nesse primeiro momento a idéia da banda é se firmar no cenário, apresentando a brasilidade que cerca cada membro. Como a banda também compõe, as composições estão sendo moldadas para que fiquem com a cara do BarbaDeSaia, e não como a música de um integrante da banda que os outros tocam. Desta forma os que como eu estão ávidos por escutar as músicas compostas pela banda, terão que esperar um pouco para que estas apareçam no repertório. “Consideramos que no momento nosso som é quase que uma homenagem aos músicos que admiramos, já que não é nossa intenção tocar as músicas com exatidão de detalhes e sim darmos nossa cara para a música que estamos tocando”, explicam. Quanto ao processo de composição, a banda se refugia num sítio em Parapeúna, de propriedade de Maia, pai do baixista, é o “Boa Vista” que segundo os integrantes é um local totalmente inspirador, pela energia que transmite, inclusive existe um projeto do próprio Maia de transformá-lo em um Centro cultural. De forma parecida à participação da banda em festivais de música também terá esse crivo, já que acreditam no festival como uma vitrine de um trabalho, onde se tem a oportunidade de apresentar o mesmo para uma gama considerável de pessoas. Ganhar não é o principal, divulgar o trabalho sim.

IMG_2692

Questionados sobre reconhecimento e citando que quase nunca se faz jus ao trabalho do músico. Responderam: “Acreditamos que a boa música no geral não tem tido o reconhecimento que merece. E isso não se trata de Valença ou outra cidade qualquer, isto está associado ao que é apresentado diariamente pela mídia radiofônica e televisiva e que infelizmente a grande maioria das pessoas recebe passivamente, sem questionar e sem buscar conhecer sons diferentes. Falando de Valença temos realmente qualidade musical e também diversidade, pois temos Reggae, Rock, Blues, Samba… todos com qualidade indiscutível. Nesse meio queremos com o BarbaDeSaia apresentar um som específico, próprio da nossa banda, com um repertório diferente do que os outros tem apresentado, tentando colaborar com mais uma lacuna que no nosso caso é a qualidade que tem a música brasileira.

Por fim, o público que acompanha a banda pode esperar do BarbaDeSaia muita brasilidade nos shows que estão por vir e a banda reforça que a parceria com as Chefs de Cozinha Flávia Fort e Luísa Stiepanovicz continua, todos querem voltar ao Rio e repetir o sucesso de casa lotada.

Próximas apresentações:
– Show na II Feira Literária de Valença – FLIVA II (10/OUT/2014)

Em nossas entrevistas, não nos responsabilizamos por conceitos, opiniões manifestadas ou citações de terceiros incluídos nas respostas de nossos entrevistados.
  • raphael

    out 7, 2014 #1 Author

    Muito boa banda, muito bom repertório…
    Valença precisa disso. Gostei muito,

    Responder

    • Pinheiro

      out 10, 2014 #2 Author

      Verdade Raphael! Valença/RJ tem uma quantidade excepcional de grandes músicos e o “BarbaDeSaia” veio a somar nesse grande time! Obrigado pela visita e comentário!

      Responder

  • Izabel Cristina Monteiro

    mar 8, 2015 #3 Author

    Gostei muito de conhecer a história da banda!!! Chamou-me a atenção o fato de a brasilidade estar acima de tudo. Achei fantástico isso, especialmente num país de musicalidade tão americanizada pela mídia, nos “The voice Brazil” e “Superstar” da TV, onde a americanização começa no título e estende-se nas músicas apresentadas. Parabéns pela matéria!!!1

    Responder

    • Pinheiro

      maio 2, 2015 #4 Author

      Sim, Izabel Cristina Monteiro. É realmente louvável ver músicos que ainda primam em apresentar as qualidades de nossa cultura, tão negligênciada pela grande maioria. Obrigado pelo comentário e visita! Por favor, volte sempre!

      Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *